Perfil Turístico

Existente

Tentativas importantes tem sido feitas pela iniciativa privada e Instituições do Poder Público, no sentido de criar uma “vocação” turística para Ipameri.
Assim é que a festa Agro-Pecuária, já com meio século de existência traz movimento expressivo para a cidade, voltado para o agro-negócio – a maior fonte econômica do Município.

O Mocajee Cross, corrida de motos, jeeps e carroças também tem atraído os amantes da modalidade esportiva para o Povoado da Vendinha, antigo Sucuri, onde as áreas de acampamento a 23 km do centro da cidade recebem um número bastante elevado de visitantes àquele local que, aos poucos, se equipa com apoio Municipal e procura se firmar como evento turístico.

A festa da Padroeira da cidade, Nossa Senhora da Abadia que no passado, segundo reza a história, já atraiu romarias que desapareceram. Hoje a festa acontece mais com a população local, rural e da própria região.

Não houve contudo um inventariado do potencial turístico que existe em Ipameri como fonte de turismo permanente e com atrativos para o turista mais exigente, com melhor poder econômico e por isso mesmo, o turista que tem dinheiro e procura lugares para realizar o seu lazer, no mínimo anualmente.

A princípio o raciocínio tem partido da existência de uma estrada pavimentada que liga Ipameri a Caldas Novas. O próprio trecho bucólico e com o Lago Corumbá I, além das Serras adjacentes, já seriam um passeio interessante para o turista que está com um pacote de uma semana inteira de banhos de águas quentes em Caldas Novas.

Esta rodovia, exclusividade dos dois municípios é uma mensagem eloqüente, pois não há fluxo de turistas de Ipameri para Caldas Novas. Não existem empresas, negócios que possam justificar a manutenção da GO. Exceção feita aos estudantes de Universidades dos dois Municípios, contudo esse evento universitário é recente nos dois municípios, enquanto que a estrada data de 1938 e sua pavimentação com a construção de magnífica ponte data dos anos 80.

O Guia Quatro Rodas da Abril Cultural cita Ipameri como “passeio de Caldas Novas” indicando aqui a Cerâmica Boa Nova e as praias fluviais como pontos de visita. Grande iniciativa, que no entanto ainda não foi o suficiente para movimentar interessados e buscar, a princípio, o turista de muito bom poder econômico que está a 50 km de Ipameri e muitas vezes buscando algo além.

Vista parcial do Parque Municipal

Um exemplar da Arquitetura Art dèco, dentre muitos.

Interior da Catedral construída em 1938

Ribeirão Vai-Vem poucos metros abaixo da barragem.

Uma praia do Rio Veríssimo

Mocajee Cross - modalidade Jeep

Museu Militar de Ipameri

Estado atual de uma turbina da hidrelétrica do Vai-Vem, 1914.

Potencial

Rede de croche, trabalhos em madeira e cerâmica.

Entrada para a Cerâmica "Boa Nova"

Antiga Estação Ferroviária, sede do Centro de Tradições e Cultura - Biblioteca e Acervo de Documentos e Fotos.

Frutos do Cerrado - Jatobá

Produtos utilitários da Cerâmica" Boa Nova"(canecos e copos em estojo de madeira.

Produtos decorativos e utilitários da Cerâmica "Boa Nova"

Citaremos aqui o potencial cultural existente em Ipameri como atrativo turístico a ser desbravado por pessoas empreendedoras:

- A existência da primeira usina geradora de energia elétrica no Município e em Goiás, que se encontra em sítio natural belíssimo, com sua casa com as máquinas, turbinas e ferramentas; a barragem com suas engrenagens (de 1914) e a beleza do Ribeirão Vai-Vem naquela localidade com suas cachoeiras e corredeiras.

- O maior patrimônio da Arquitetura Art Dèco preservado do interior de Goiás com diversos exemplares;
- A Cerâmica Artística e Educacional Boa Nova que se prepara para instalar o Museu Nacional de Cerâmicas Brasileiras;
- As praias fluviais do Rio Veríssimo e do Rio do Braço, além da “Descida do Braço” através de suas corredeiras em bóias ou caiaques, já praticadas pelos jovens da cidade. Cachoeiras abundantes com possibilidade de áreas para “campings”, pousadas e demais equipamentos. Pesca amadora também pode vir a ser estimulada.
- O Centro de Tradições e Cultura, sediado na antiga Estação Ferroviária restaurada, sede da maior Biblioteca Pública do Sudeste Goiano: acervo com obras raras, estrangeiras, acervo de documentos, fotos e objetos, num projeto de Museu Artístico-Histórico da cidade.
- O Parque Municipal de Preservação Ambiental, com potencial de se tornar o primeiro jardim botânico das espécies vegetais do cerrado além de possível balneário público.
- As ruínas da Usina Hidrelétrica Major Aristides no Rio do Braço, local de beleza privilegiada. (1946)
- A Catedral do Divino Espírito Santo, arquitetura neo-gótica de beleza singular; (inaugurada em 1938)
- O Coreto da Praça da Liberdade em arquitetura neo-clássica, de 1923.
- Fazendas coloniais seculares com distância até 10 km da cidade, com equipamentos industriais rudimentares e patrimônio escravocrata. Algumas delas, atualmente, são fazendas usuárias de tecnologia de ponta na criação de gado de leite e de corte; nas lavouras diversificadas de soja, alho, cebola, café, maracujá, gairoba, coco da bahia, uva roxa, e algodão cuja fibra é a mais longa do país.
- O Museu Militar da 23ª Companhia de Engenharia e Combate, com a história do 6º Batalhão de Caçadores e sua participação na 2ª Guerra Mundial, na missão em Angola, dentre outros fatos históricos relevantes.
Comenta-se, ainda, a existência de um cemitério indígena do século XVIII no trecho da rodovia Ipameri X Caldas Novas. Assunto que merece a atenção de historiadores, pois a confirmação de tal existência poderá abrir novos horizontes para a pesquisa na região, além da atração para os turistas.

A produção de doces, geléias, cristalizados caseiros, de receitas de biscoitos de meio século, farinhas, defumados, embutidos, frutas da estação, frutos do Cerrado, sucos naturais, rapaduras e aguardentes, tudo isso e muito mais que já possuímos como tradição na cidade, poderia compor a parte gastronômica de um bom projeto turístico.

Parte do rico patrimônio histórico necessita de restauração e todos necessitam de equipamentos turísticos para que então possam ser oferecidos os “passeios” aos pacotes de hotéis de Caldas Novas em um primeiro momento, para o Brasil em seguida e por que não para o mundo futuramente?

Empresários diversos, proprietários de hotéis, restaurantes, sorveterias, panificadoras, comércio em geral, Poder Público, Cursos para Guias Turísticos com conhecimento em História e Geografia do Município, deverão estar atentos ao investimento a ser realizado, pois o potencial da indústria do turismo em Ipameri será a que menos causará impacto sócio-ambiental degradante e hoje a indústria de curto prazo mais promissora, além de estar antes nas mãos dos próprios ipamerinos...