Artistas (Página 4)

Músicos, Compositores e Instrumentistas

A FAMÍLIA PIRAHY

O resgate das raízes, o reconhecimento e gratidão pelos que construíram os alicerces da nossa História, além da valorização e do incentivo ao presente é o forte e grande objetivo deste trabalho.

Reservamos, portanto esta página à família PIRAHY. Conseguimos com o carinho deles a elaboração deste trabalho que diga-se é inédito e foi entregue em nossas mãos pela simpatia, afeto que nos liga desde a infância, além da confiança mútua que nos alimenta a amizade.

Começaremos este resgate - como pioneiros no Brasil deste repositório de preciosidades que são os nossos artistas abaixo relacionados na ordem: Maestro João Pirahy, falecido em 1937; Lyra Pirahy que atualmente com 87 anos está em plena atividade musical; Sonia Genu, pianista e cantora lírica e seu esposo Frits van der Veen, também músico, no momento especializando sua arte com o "mago" da flauta James Galway http://www.thegalwaynetwork.com/.

Ficará ainda pendente a biografia do João Baptista Pirahy, mestre dos instrumentos de sopro que compôs durante muitos anos as orquestras de redes de televisão, sendo a última a Rede Globo. Nós o víamos especialmente nos grandes Festivais da Música Brasileira, nos programas da Bossa Nova, MPB e Jovem Guarda. Em breve esta personalidade que passava suas férias aqui em Ipameri, na casa de sua mãe, (divisa de muro com a minha casa), estará também nesta página, completando assim a bela história desta família de músicos.

O Maestro

Maestro João Pirahy

 "Nasceu na antiga Bagagem, hoje Estrela do Sul, Minas Gerais, aos 5 de outubro de 1877 e faleceu em Ipameri no dia 5 de julho de 1937. Sua vida foi dedicada à música: era compositor, regente, professor de música e um mestre na concertina ( bandoneon).
Em 1887, aos 10 anos de idade, muda-se para Goiás. Em Ipameri, aos 21 de outubro de 1914 , casa-se com a sra. Prima Barbalho Pirahy, uma ipamerina descendente dos Barbalho (Modesto) e da família Faria e Vaz (Sebastiana). 
Tinha sua residência fixada na cidade de Ipameri e domiciliava-se em todo Estado de Goiás.
Assim, todas as suas filhas: Iracelis, Lyra, Arpina nasceram em Ipameri-Go. Seu filho João Baptista Filho nasceu em Catalão-Go. 
As suas músicas foram inspiradas ora em Catalão, Ipameri, Corumbaíba, Pires do Rio, Silvânia, Vianópolis e outras cidades goianas. Sempre se destacou pelo dinamismo de seus métodos, firmeza nas decisões e visão do futuro ao educar seus descendentes.

O maestro era um multi-instrumentista, dominava vários instrumentos: violoncelo – viola – violino – contrabaixo – harpa – bandolim – piano – flautim – flauta – oboé – fagote – clarineta – trompa – trombone – tuba – saxofone – requinta - concertina; caixas – pratos – bombo – pandeiro.
Era um exímio instrumentista e professor de música. Exerceu ativa participação na formação de músicos de sua época. Como regente, teve papel fundamental na formação de bandas e orquestras em todo o estado de Goiás, tornou-se o Maestro do Estado.
Além destas aptidões musicais também era luthier, consertava instrumentos musicias e afinava pianos. Em suas horas de lazer, tocava em festas, bailes, aniversários, casamentos e promovia serenatas, pois seu maior encanto era a música. Tinha muitos amigos e era muito querido por todos!
Com seu pensamento criador e iluminado era um mestre do encantamento: ora com sua música, ora como pirotécnico ( fábrica de fogos de artifícios) ou na degustação de seus deliciosos vinhos Tucum (fábrica em Vianópolis-Go e Silvânia-Go).
Apresentou ao povo de sua época mais de 500 composições musicais com riqueza de harmonia e orquestrações: valsas, polcas, mazurcas, obras sacras mas também choros, dobrados, tangos e sambas. 
Duas de suas valsas, Annita e Izaura, foram transcritas para o piano por Bidu Sayão, célebre cantora lírica brasileira, e editadas pela Vitale. A valsa Annita foi classificada em primeiro lugar em um concurso de composição em São Paulo antes do falecimento do compositor, em 1937, em Ipameri. Foi gravada por Ely Camargo na década de 70, no disco Ely Camargo Interpreta Compositores Goianos, pelo selo da Chantecler. 
Outro registro da obra de Pirahy é o dobrado Júlio Nolasco (1915), gravado em vinil por Régis Duprat. O LP lançado pela Copacabana entitula-se Três Séculos de Música Brasileira (1978)."

Algumas peças musicais de composição do Maestro: 
Iracelis
Rancheira Lyra Pirahy
Dr. Frota
21 de Março = Lassy
Lacy Indictoso
Marcha do Goyano
Um Idílio
Dinah Vaz
Dr. Benjamim Luiz Vieira
Um anjo no céu
Carinhosa
Judith F. de Saouza
Cap. Araújo
Joaninha da Cunha
Nessinha e Lourdes
Dr. Claro de Godoy
Padre Nosso

Há pouco mais de dois anos, foi encontrado o "baú" de composições inéditas do Maestro. Estas preciosidades da música brasileira estão sob a guarda dos familiares.

ALGUMAS BANDAS MUSICAIS REGIDAS PELO MAESTRO

Banda do Maestro João Pirahy em Ipameri em torno de 1915. O Maestro está à esquerda da foto com as duas crianças.

Denominada como "outra fase" da Banda do Maestro João Pirahy, provavelmente na década de 20. O Maestro é o quarto da direita para a esquerda, na primeira fileira.


Banda do Maestro João Pirahy em Catalão também na década  20. O Maestro é o primeiro do lado esquerdo, à frente do grupo.

A FILHA, HERDEIRA MUSICAL DO MAESTRO

Lyra Pirahy: “Ipamerina com muita honra!”

          Nascida aos 27 de outubro de 1919 em Ipameri, Goiás, filha de João Pirahy e Prima Barbalho Pirahy 
Realizou os seus estudos Primário, Complementar e parte do Curso Normal na cidade de Bonfim (atual Silvania) - Colégio N. S. Auxiliadora.
Obteve o seu diploma do Curso Normal pelo Colégio Santo Agostinho, Catalão em 1941.
Nomeada pelo Governador Dr. Pedro Ludovico Teixeira como professora do Grupo Escolar de Ipameri exerceu o magistério durante alguns anos (1941-1946) em diferentes locais.
Destaca-se aqui o seu trabalho pioneiro na alfabetização de adultos, como professora alfabetizadora do primeiro curso criado no Brasil. Paralelamente à convite do Rotary Clube do Brasil de Ipameri, também trabalhou alfabetizando crianças carentes.
Perante o 6º Batalhão de Caçadores, sediado em Ipameri, foi destacada para alfabetizar os jovens soldados. 
Sua trajetória apenas começava, ainda havia muito para contar em sua vida. Com o apoio do Dr. David Cosac é contemplada com uma bolsa de estudos para realizar seu grande sonho de vida, o estudo da enfermagem no Rio de Janeiro.
Segue para o Rio de Janeiro para cumprir os seus estudos e se diploma como enfermeira pela Escola de Enfermagem Anna Nery da UFRJ (http://www.eean.ufrj.br) em 1951.
Realizada e grata por ver o seu sonho realizado volta à Ipameri e integra a equipe do Dr. David Cosac. Agora já como enfermeira diplomada, mais uma vez pioneira para o seu tempo, tem a honra de fazer parte da inauguração do primeiro Hospital Municipal de Ipameri (1951-1953)
e participar das primeiras cirurgias.
Alguns anos mais tarde, de volta ao Rio de Janeiro, foi nomeda como funcionária pública pelo Presidente da República Dr. Juscelino Kubitscheke, 1960. 
Sua carreira como enfermeira foi brilhante, era querida por todos e o amor pela profissão foi seu eterno companheiro. 
Exerceu cargos de alta responsabilidade como a chefia de diversas clínicas e supervisão do Hospital Geral de Bonsucesso onde trabalhou 20 anos.
Em 1986 aposentou-se como chefe do Pam Botafogo, INAMPS- Rio de Janeiro, sendo-lhe concedido o título de Enfermeira Padrão.
Herdeira musical, a filha do Maestro João Pirahy aprendeu a amar a música desde muito jovem. Integrou o conjunto do pai como violinista e teve ativa participação tocando nas festas, missas e serenatas da cidade de Ipameri. 
Residindo desde o ano 2000 na Holanda com sua filha Sonia Genú, pianista e cantora lírica, Lyra Pirahy retoma o estudo do violino. Depois de 60 anos as cordas de seu violino voltam a vibrar! 
Como ela mesma diz: “é chegada a hora de usufruir deste presente de Deus, a música em minha vida é a maior herança que eu poderia sonhar em receber!"
Em 2005 recebeu a Comenda Honra ao Mérito da Câmara Municipal de Ipameri.

A NETA, HERDEIRA MUSICAL DO AVÔ E DA MÃE

 

Sonia Genu
Nasceu no Rio de Janeiro no dia 14 de outubro de 1954. Filha de Antonio de Almeida e Lyra Pirahy de Almeida. 
Pianista e cantora lírica (mezzo-soprano) nasceu no Rio de Janeiro, filha e neta de ipamerinos de nascimento, passava férias na sua infância em Ipameri com seus familiares. 
Descrita pela crítica brasileira especializada, como uma das mais expressivas e ecléticas vocalistas de sua geração. Seu talento é herança familiar Ipamerina, Goiás: neta do brilhante maestro e compositor João Pirahy e sobrinha de João Baptista Pirahy, mestre dos instrumentos de sopro. Bacharel em piano e canto pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e especialização vocal no Conservatório de Música de Rotterdam ,Holanda. 
A musicista Sonia Genú ganhou a Medalha de ouro em canto e 1ª lugar no Concurso de Mestrado em canto da UFRJ.
Com uma bolsa de estudos, segue para o Conservatório de Rotterdam, Holanda, para uma especialização vocal. 
Radicada na Holanda desde 1991, Sonia Genú desenvolve intensa atividade musical como concertista e professora de canto. Durante alguns anos atuou em instituições tais como: Escola de Música SKVR de Rotterdam, Conservatório de Música de Rotterdam e Fundação Buitenkunst. Atualmente se dedica a divulgação do projeto “A Canção Brasileira”. 
Em 2005 recebeu da Câmara Municipal de Ipameri o Título Honorário de Cidadã Ipamerina.

UM MOMENTO DE SONIA GENU NO PALCO

 

O MÚSICO FRITS VAN DER VEEN, ESPOSO DE SONIA GENU

Um ipamerino de coração

 

 

O ABRAÇO DA FAMÍLIA PIRAHY DA HOLANDA PARA IPAMERI

 

Créditos: Fotos dos artistas e das artes: Fotos em preto e branco: do Acervo da Secretaria de Cultura e Turismo.
Fotos em cores, enviadas pela família Pirahy.